253 capa 2 (1).original

Associação Artemis

Precisamos do seu apoio para que as lutas pelos direitos das mulheres virem conquistas.
A Artemis apoia as mulheres e você apoia a Artemis.

R$3455
arrecadados por mês

68
pessoas apoiam

Apoiar

A Artemis foi criada com o objetivo de lutar pela autonomia feminina e prevenção e erradicação de todas as formas de violência contra as mulheres. Ainda hoje elas têm uma série de direitos negados e é nosso trabalho buscar a mudança social através de implementação de políticas e serviços que garantam a equidade de gênero.

Toda mulher deveria poder escolher se quer ser mãe, e caso seja essa a sua vontade, ter assegurado o seu direito de ter um parto respeitoso e ser acolhida e bem tratada pelos profissionais de saúde, além de ter as mesmas oportunidades de carreira ao voltar da licença-maternidade. No caso negativo, mulheres deveriam poder escolher passar ou não pelo processo de laqueadura ou interromper uma gravidez. Mas na prática, mesmo quando o Estado garante alguns desses direitos, as mulheres ainda têm suas escolhas questionadas e desrespeitadas.

Nós temos trabalhado para garantir os direitos das mulheres e já realizamos algumas ações para que a luta avance:

- Em nov/15 denunciamos à OEA – Organização dos Estados Americanos o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, de violação dos direitos humanos pelo projeto de lei que dificulta o acesso ao aborto legal para vítimas de estupro;

- Enviamos um parecer a pedido do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (NUDEM) da Defensoria Pública do Estado de São Paulo sobre a inconstitucionalidade da artigo 10º da Lei de Planejamento Familiar, que exige autorização do marido para a mulher poder fazer a laqueadura;

- Entregamos 100 Kits “Sensibilizando o Judiciário sobre a Violência Obstétrica” que incluíam materiais como a Nota Técnica Violência Obstétrica, escrito pela advogada Valéria Sousa e publicado pela Editora Artemis e o Filme “O Renascimento do Parto”, de Eduardo Chauvet e Erica de Paula, que trata do cenário da assistência ao parto no Brasil;

- Fizemos também denúncias de Violência Obstétrica e Violação dos Direitos Humanos e Direito da Mulher no caso da Adelir de Lemos Goes (a gestante foi forçada, através de uma ordem judicial, a realizar uma cesariana);

Para que nossas ações continuem dando resultados, é fundamental que você lute com a gente! Você pode se juntar à causa fazendo uma doação e, dessa forma, contribuir para que continuemos trabalhando pelos direitos das mulheres.
Com seu apoio, nossas lutas viram conquistas!

Apoiar